2011/03/31

Semana da Saúde

Na próxima semana, de 4 a 8 de Abril, a nossa escola irá celebrar a Semana da Saúde. Podes ver aqui, as actividades previstas:



Clica nas imagens para veres melhor!

2011/03/24

Direitos do Leitor

Acção de FORMAÇÃO

No âmbito da actividade " Promoção da Leitura", recebeu a BE/ CRE a visita do Dr. Bruno Eiras , da Biblioteca Municipal de Algés, e a Dr.ª Sofia Pinto, da Biblioteca Municipal de Oeiras, que fizeram uma palestra cujo tema era: "Como um Romance - livros e leitura em contexto escolar.
Estiveram presentes professores da nossa e de outras escolas do agrupamento, bem como assistentes operacionais, em número bastante significativo.
A palestra teve bastante interesse e , quer a Dr.ª Sofia, quer o Dr. Eiras, mostraram toda a disponibilidade para colaborar com as escolas , partilhando experiências, promovendo novas actividades por forma a sensibilizar e ajudar a delinear o percurso dos jovens leitores.

Conspiração 365



Na véspera de Ano Novo, Cal é seguido por um estranho homem que lhe deixa um alerta: “Mataram o teu pai. Vão matar-te. Tens de sobreviver nos próximos 365 dias!”

Forçado a uma vida em fuga e com a cabeça a prémio, o fugitivo de 15 anos vê-se sozinho, sem ter quem o ajude. Perseguido pela Lei e por criminosos impiedosos, Cal tem de descobrir a verdade sobre a misteriosa morte do seu pai e um segredo capaz de mudar o rumo da História. A quem pode ele recorrer? Em quem pode ele confiar quando parece que o mundo inteiro o quer ver morto?O relógio não pára. Cada segundo pode ser o último da sua vida.

Editado em 13 países, é uma das séries juvenis de maior sucesso na Austrália, nos EUA, no Reino Unido e em França.

Imprensa:
«... um thriller magnificamente escrito...»Australian Women's Weekly

«... estabelece Gabrielle Lord como uma das melhores autoras de thrillers do mundo.»Canberra Times

Percy Jackson e o Mar dos Monstros


O ano de Percy Jackson foi surpreendentemente calmo. Nenhum monstro se atreveu a colocar os pés no campus da sua escola em Nova Iorque. Mas quando um inocente jogo do mata entre Percy e seus colegas se transforma numa disputa mortal contra um grupo de gigantes canibais, as coisas ficam... digamos, complicadas. E a inesperada chegada da sua amiga Annabeth traz mais más noticias: as fronteiras mágicas que protegem a Colónia dos Mestiços foram envenenadas por um inimigo misterioso e, a menos que encontrem uma cura, o único porto seguro dos semideuses tem os seus dias contados. Nesta emocionante e divertida continuação da série iniciada com Os Ladrões do Olimpo, Percy e seus amigos precisam se aventurar no mar dos Monstros para salvar a Colónia dos Mestiços. Antes, porém, o nosso herói descobrirá um chocante mistério sobre sua família — algo que o fará questionar se ser filho de Posídon é uma honra ou simplesmente uma piada de mau gosto.

Procura na tua biblioteca!!!

Colecção 7 irmãos




Esta nova colecção pretende criar o gosto pela leitura através de um enredo que mistura o quotidiano de uma família com 7 irmãos e o espírito de aventura, rebeldia e inquietações próprias da adolescência. Descobre esta família!!



Sabias que com 6 metros de altura, a girafa pode espreitar pela janela de um apartamento num terceiro andar? E que o maior elefante-africano pesava 12 toneladas, muito mais do que um autocarro de dois andares repleto de passageiros?


Estes e outros factos interessantíssimos podes encontrar na Enciclopédia Vida na Terra. Uma novidade na nossa Biblioteca.

2011/03/17

Quiz de Recursos Expressivos

Testa os teus conhecimentos de Língua Portuguesa.

image

2011/03/16

Quiz Online: "Amor de Perdição" Camilo Castelo Branco (5.º ano)

Testa os teus conhecimentos sobre o livro "Amor de Perdição", do escritor Camilo Castelo Branco.


Leitura - Amor de Perdição
Clica na imagem para testar os teus conhecimentos.


2011/03/15

VIDA e OBRA de ALEXANDRE HERCULANO




Biografia


Alexandre Herculano nasceu no Pátio do Gil, à Rua de São Bento, em 28 de Março de 1810 numa modesta família de origem popular; a mãe, Maria do Carmo de São Boaventura, filha e neta de pedreiros da Casa Real; o pai, Teodoro Cândido de Araújo, era funcionário da Junta dos Juros (Junta do Crédito Público). A sua infância e adolescência não podem ter deixado de ser profundamente marcadas pelos dramáticos acontecimentos da sua época, nomeadamente as invasões francesas...

Até aos 15 anos frequentou o Colégio dos Padres Oratorianos de S. Filipe de Néry, então instalados no Convento das Necessidades em Lisboa, onde recebeu uma formação de índole essencialmente clássica, mas aberta às novas ideias científicas.



Impedido de prosseguir estudos universitários , devido à cegueira do pai, em 1827, doença que o impossibilitou de prover ao sustento da família, ficou disponível para adquirir uma sólida formação literária que passou pelo estudo de inglês, francês, italiano e alemão, línguas que foram decisivas para a sua obra literária. Estudou Latim, Lógica e Retórica no Palácio das Necessidades e, mais tarde, na Academia da Marinha Real, estudou Matemática com a intenção de seguir uma carreira comercial. Descontente com o governo de D.Miguel I de Portugal, exilou-se na França, onde escreveu os seus melhores poemas. Voltou a Portugal, em 1832, tendo continuado a fazer poesia, como A Voz do Profeta em 1836 e A Harpa do Crente em 1838.

Publicou obras de ficção, como Eurico, o Presbítero , em 1844, e ganhou fama como historiador; publicou a História de Portugal, em quatro volumes, e História da Origem e Estabelecimento da Inquisição em Portugal. Com apenas 21 anos, participará, em circunstâncias nunca inteiramente esclarecidas, na revolta de 21 de Agosto de 1831 do Regimento n.° 4 de Infantaria de Lisboa contra o governo ditatorial de D. Miguel I, o que o obrigará, após o fracasso daquela revolta militar, a refugiar-se num navio francês fundeado no Tejo, nele passando à Inglaterra e, posteriormente, à França (Rennes), indo depois juntar-se ao exército Liberal de D. Pedro IV, na Ilha Terceira (Açores). Alistado como soldado no Regimento dos Voluntários da Rainha, como Garrett, é um dos 7 500 "Bravos do Mindelo", assim designados por terem integrado a expedição militar comandada por D. Pedro IV que desembarcou, em 8 de Julho de 1832,na praia do Mindelo (na verdade, um pouco mais a sul, na praia de Arnosa de Pampelido, um pouco a Norte do Porto - hoje "praia da Memória"), a fim de cercar e tomar a cidade do Porto. Como soldado, participou em acções de elevado risco e mérito militar. Passado à disponibilidade pelo próprio D. Pedro IV, foi por este nomeado segundo bibliotecário da Biblioteca do Porto. Aí permaneceu até ter sido convidado a dirigir a Revista Panorama, de Lisboa,revista de caráter artístico e científico de que era proprietária a Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Úteis, patrocinada pela própria rainha D. Maria II, de que foi redactor principal de 1837 a 1839. Em 1842 retomou o papel de redactor principal e publicou o Eurico o Presbítero, obra maior do Romance Histórico em Portugal no século XIX. Mas a obra que vai transformar Alexandre Herculano no maior português do século XIX é a sua História de Portugal, cujo primeiro volume é publicado em 1846. Obra que introduz a historiografia científica em Portugal, não podia deixar de levantar enorme polémica, sobretudo com os sectores mais conservadores, encabeçados pelo clero. Atacado pelo clero por não ter admitido como verdade histórica o célebre Milagre de Ourique – segundo o qual Cristo aparecera ao rei Afonso Henriques naquela batalha -, Herculano acaba por vir a terreiro em defesa da verdade científica da sua obra, desferindo implacáveis golpes sobre o clero ultramontano, sobretudo nos opúsculos Eu e o Clero e Solemnia Verba. O prestígio que a História de Portugal lhe granjeara leva a Academia das Ciências de Lisboa a nomeá-lo seu sócio efectivo (1852) e a encarregá-lo do projecto de recolha dos Portugaliae Monumenta Historica (recolha de documentos valiosos dispersos pelos cartórios conventuais do país), projecto que empreende em 1853 e 1854. Herculano permanecerá fiel aos seus ideais políticos e à Carta Constitucional, que o impedira de aderir ao Setembrismo. Apesar de estreitamente ligado aos círculos do novo poder Liberal (foi deputado às Cortes e preceptor do futuro Rei D. Pedro V), recusou fazer parte do primeiro Governo da Regeneração, chefiado pelo Duque de Saldanha. Recusou honrarias e condecorações e, a par da sua obra literária e científica, de que nunca se afastou inteiramente, preferiu retirar-se progressivamente para um exílio que tinha tanto de vocação como de desilusão. Numa carta a Almeida Garrett confessara ser seu mais íntimo desejo ver-se entre quatro serras, dispondo de algumas leiras próprias, umas botas grosseiras e um chapéu de Braga. Ainda desempenhando o cargo de Presidente da Câmara de Belém (1854 de 1855), cargo que abandona rapidamente. Em 1857, após o seu casamento com D. Mariana Meira, retira-se definitivamente para a sua quinta de Vale Lobos (Azóia, Santarém) para se dedicar (quase) inteiramente à agricultura e a uma vida de recolhimento espiritual - ancorado no porto tranquilo e feliz do silêncio e da tranquilidade, como escreverá na advertência prévia ao primeiro volume dos Opúsculos. Em Vale de Lobos, Herculano exerce um autêntico magistério moral sobre o País. Na verdade, este homem frágil e pequeno, mas dono de uma energia e de um carácter inquebrantáveis era um exemplo de fidelidade a ideais e a valores que contrastavam com o pântano da vida pública portuguesa. Isto dá vontade de morrer!, exclamara ele, decepcionado pelo espectáculo torpe da vida pública portuguesa, que todos os seus ideais vilipendiara. Aquando da segunda viagem do Imperador do Brasil a Portugal, em 1867, Herculano entendeu retribuir, em Lisboa, a visita que o monarca lhe fizera em Vale de Lobos, mas devido à sua débil saúde contraiu uma pneumonia dupla de que viria a falecer, em Vale de Lobos, em 13 de Setembro de 1877. Herculano foi o responsável pela introdução e pelo desenvolvimento da narrativa histórica em Portugal.Juntamente com Almeida Garrett, é considerado o introdutor do Romantismo em Portugal, desenvolvendo os temas da incompatibilidade do homem com o meio social.



BIBLIOGRAFIA

Poesia A Voz do Profeta – 1836 A Harpa do Crente – 1838 (eBook) Poesias - 1850 (eBook) Teatro O Fronteiro de África ou três noites aziagas (drama histórico português em 3 actos) – (Representou-se em Lisboa, em 1838, no teatro do Salitre, foi editado no Rio de Janeiro em 1862) Os Infantes em Ceuta – 1842 Romance O Pároco de Aldeia (1825) - 1851 O Galego: Vida, ditos e feitos de Lázaro Tomé Romance histórico O Bobo (1128) – 1843 O Monasticon Eurico, o Presbítero: Época Visigótica - 1844 O Monge de Cister; Época de D. João I - 1848 Lendas e narrativas - 1851 1.º tomo: (eBook) O Alcaide de Santarém (950-961) Arras por Foro de Espanha (1371-2) O Castelo de Faria (1373) A Abóbada (1401) 2.º tomo: (eBook) Destruição de Áuria: Lendas Espanholas (século VIII) A Dama Pé de Cabra: Romance de um Jogral (Século XI) O Bispo Negro (1130) A Morte do Lidador (1170) O Emprazado: Crónica de Espanha (1312) O Mestre Assassinado: Crónica dos Templários (1320) Mestre Gil: Crónica (Século XV) Três Meses em Calecut: Primeira Crónica dos Estados da Índia (1498) O Cronista: Viver e Crer de Outro Tempo História História de Portugal: 1.ª época, desde a origem da monarquia até D. Afonso III - 1846-1853 História das Origens e Estabelecimento da Inquisição em Portugal - 1854/1859 Portugaliae Monumenta Historica – 1856-1873 Opúsculos I,II,III,IV, V, VI, ...

Encontro com escritor Augusto Carlos foi um SUCESSO


Augusto Carlos, escritor da lusofonia, visitou a nossa escola, a convite da Biblioteca Escolar, com o propósito de contactar com professores e alunos e divulgar algumas das suas obras.
Augusto Carlos começou por falar das suas experiências de vida que , segundo ele, influenciam e influenciaram sempre a sua obra. Escreve livros para jovens e adultos, cuja temática continua a versar as recordações da sua terra natal - cheiros, sons, vozes, paisagens e gentes.
Augusto Carlos nasceu em 1955, em Gaza, Moçambique. Formado em Engenharia, frequentou o curso de Filosofia iniciando um processo de descobrimento e reflexão que o levaria à escrita. Augusto Carlos revela-se assim ao mundo em 2005, com a idade de 50 anos e uma vida de histórias e reflexões sobre as pessoas e o mundo em torno. Escritor pródigo e acarinhado por todos aqueles que o lêem, publicou já oito livros de imenso sucesso, onde procura com a magia dos contos e histórias africanas entender o lugar da história na vida das pessoas, a sua identidade e relação com os locais onde nasceram. A escrita mágica de Augusto Carlos está alicerçada na memória de um país imenso, estando sempre presente a necessidade de compreender quem somos, o que fazemos e aquilo que nos move, procurando o Amor como forma de nos levar ao Bem, fonte de Felicidade.
A sua vinda à nossa escola, a participação de vários alunos de todas as turmas de 7.º ano, bem como dos alunos do 9.º ano, turma B, de professores e elementos da Direcção Escolar , revestiu-se de enorme simpatia , sensibilidade e magia. A forma simples e tranquila como se dirigiu à audiência cativou de imediato. Antes de terminar, dado que se aproximava o dia de lançamento de um novo livro, fez questão de entregar aos adultos presentes , um convite para assistir à cerimónia que se realiza no dia 15 de Março, pelas 18h30m , na Livraria Bucholtz em Lisboa.
Para além de relatar a experiência vivida, pretende-se, com este pequeno artigo, prestar a nossa sincera homenagem ao homem culto mas simples, ao homem das letras , a mais um ilustre escritor da lusofonia.

Palestra da escritora Gabriela Sousa Silva




A actividade feita em articulação entre a BE e a Educação Para a Saúde foi do agrado dos alunos participantes que colocaram várias questões muito pertinentes à escritora no âmbito da Leitura e da Educação Sexual. A palestra intitulou-se " Ler e amar na adolescência". Por motivos alheios à nossa vontade, só agora fazemos o balanço e disponibilizamos a reportagem fotográfica deste evento.

O 1º ano da EB1 João de Freitas Branco visita a BE do Agrupamento

Os alunos da professora Rita Padrão vieram visitar a BE do agrupamento e assistiram a mais uma "Hora do Conto", realizado pela colega Teresa França. Por falta de tempo, não foi possível realizar, no final, o Atelier de Escrita Criativa. Como tal, foi-lhes lançado um desafio: escreverem uma frase e ilustrarem a parte do conto que mais gostaram, mas já em sala de aula. Os trabalhos ficaram de ser enviados e posteriormente colocados no nosso blogue. Os alunos demonstraram interesse e entusiasmo como podemos constatar pela reportagem foftográfica.

2011/03/02

Que cena, amiga!


Neste novo livro, delicia-te a descobrir como ao longo dos anos a Malu tem lidado com as suas amizades. Das discussões que duram cinco minutos, às alcunhas pouco lisonjeiras (mas perfeitamente honestas), das cenas de ciúmes à ideia genial de formarem uma banda, de certeza que te vais identificar e rever em inúmeras situações vividas pela Malu e as suas amigas. Por isso prepara-te para embarcar nesta viagem repleta de boa disposição que celebra, nas palavras da sua protagonista, «um dos bens mais preciosos que temos».